terça-feira, 8 de novembro de 2011

Censo para conhecer o Norte de Minas


Até dezembro deste ano Minas Gerais passará pela maior e mais abrangente pesquisa socioeconômica já realizada no Estado. Serão pesquisados 1.200 setores censitários de áreas urbanas e rurais distribuídas por todas as regiões. Realizada pela Fundação João Pinheiro (FJP), com apoio do Banco Mundial e da Fundação de Amparo à Pesquisa de Minas (Fapemig), a Pesquisa por Amostra de Domicílios de Minas Gerais (PAD-MG) servirá de base para o levantamento dos indicadores sociais, econômicos, populacionais e demográficos do estado. Esta é a segunda edição da pesquisa.
Na região do Grande Norte – Vales do Jequitinhonha, Mucuri e Norte de Minas pesquisadores da Fundação João Pinheiro vão concluir os levantamentos na próxima sexta-feira, 11, envolvendo os municípios de Corinto, Prados e Felixlândia. Pesquisadores da FJP, devidamente identificados com crachá e equipamento para coleta de dados, irão de porta em porta para entrevistar os moradores.
Realizado pela primeira vez em 2009, o estudo que tem como objetivo conhecer em profundidade a população mineira, suas características, ações e posições no sistema de estratificação social e no mercado, irá possibilitar a atualização da base de dados do estado e incluir novas áreas temáticas, de acordo com as necessidades detectadas a partir da primeira edição do levantamento. Os resultados serão utilizados para originar novos estudos sobre temas específicos e subsidiar a elaboração, acompanhamento e avaliação de políticas públicas.

REGIONALIZAÇÃO
Levando em conta o tamanho e a diversidade de Minas Gerais, onde há realidades muito distintas entre os municípios, a pesquisa fornecerá informações que possibilitarão traçar um desenho de cada uma das regiões do estado nas áreas de saúde, educação, trabalho, renda e benefícios, entre outros temas, além das características das residências e dos habitantes. Com base nos dados a serem levantados, a formatação e implementação de programas sociais torna-se mais apurado por parte do Governo do Estado, com maior probabilidade do alcance de bons resultados, levando-se em conta que as iniciativas terão como base a realidade atual de cada região.
Ao todo, 80 recenseadores estão trabalhando em 428 municípios selecionados para compor a amostra, distribuídos nas regiões Norte, Noroeste, Rio Doce, Zona da Mata, Sul, Triângulo, Alto Paranaíba, Centro-Oeste, Jequitinhonha, Central e Mucuri, além da Região Metropolitana de Belo Horizonte.

Fonte: Norte de Minas

Nenhum comentário:

Postar um comentário